WHAT'S NEW?
Loading...

No último dia 15 de março a CBBd publicou em seu site um texto sobre a primeira Etapa Nacional de Parabadminton com fotos, ótima notícia não?; SIM!,  porém a publicação ocorreu somente 10 dias após o término da competição (05/03/2017), neste espaço de tempo nenhuma postagem foi realizada sobre o parabadminton apesar que o relatório final do badminton foi publicado no dia 07/03, ou seja, 2 dias após o término do torneio.

Para quem estava interessado em acompanhar a competição pelo site da CBBd, o link do tournament não foi postado. É verdade que no mesmo dia (15/03) foi realizado um relatório do badminton nos moldes do nosso blog mas já era do conhecimento de todos visto que o link dos jogos e o "relatório simplificado" já estavam no site.

Por que estou escrevendo sobre isto?

A analise realizada pelo blog parabadmintonBrasil apesar de ter apenas 15 dias é a QUINTA POSTAGEM COM MAIOR ACESSO em SETE ANOS DE BLOG, ou seja, o interesse foi grande (não só de brasileiros) porém no site oficial não tinha quase nada durante a I etapa.

No texto da CBBd, informações geradas pelo blog foram parafraseadas (leiam e tirem suas conlusões). O objetivo do blog não era de gerar conteúdo, porém quando os orgãos oficiais não os fazem, tento preencher as lacunas.

Se você deseja ter acesso ao texto  da CBBd, link aqui: http://www.badminton.org.br/noticia/3103/1o-etapa-nacional-de-parabadminton-continua-consagrando-campeoes-em-sao-paulo/

Fotos: Facebook da CBBd: https://www.facebook.com/pg/ConfederacaodeBadminton/photos/?tab=album&album_id=1346303392083140

link 2: https://www.facebook.com/450019498378205/photos/?tab=album&album_id=1346231395423673

Link 3 https://www.facebook.com/450019498378205/photos/?tab=album&album_id=1346384262075053


Postagem no blog:

Relatório final: http://parabadminton.blogspot.com.br/2017/03/resultado-final-1-etapa-nacional-de.html

Informações: http://parabadminton.blogspot.com.br/2017/03/primeira-etapa-nacional-de-parabadminton.html

 O primeiro torneio Internacional de Parabadminton do ano 2017 ocorreu na cidade de Alcudia na Espanha, participaram desta edição 152 para-atletas de 25 países. Da PANAM apenas Raul Anguiano (GUA) e o canadense Josh Wilians ambos da classe SL4 foram para a competição.
Crédito:Simon Cruz Monndejar
Levando em consideração que este torneio é apenas o primeiro do ciclo paralímpico, a quantidade de representantes é impressionante, isso deveria acender a luz de alerta da CBBd sobre a organização do 1º internacional do Brasil já que não possuí  experiência com um evento de parabadminton desta magnitude (a primeira proposta da CBBd foi em realizar a competição juntamente com uma etapa nacional em Curitiba).

Acredito que alguns dos para-atletas brasileiros perderão posições no Ranking internacional por não terem participados deste torneio, os para-atletas que sonham com Tóquio 2020 ou na obtenção ou manutenção da Bolsa  pódium precisarão participar do máximo de etapas internacionais.

Mesmo comemorando a quantidade de para-atletas é preocupante a quantidade de mulheres, somente 28%, se esta situação não modificar, estas classes poderão ficar de fora das paralimpíadas. Ao todo foram 92 para-atletas das classes standing's e 60 nas classes wheelchair's. Abaixo podemos verificar a quantidade de inscritos.

O país com maior número de participantes  foi a  Inglaterra com 19 seguida por França (18) Alemanha e Espanha (12 cada). SL4 masc e WH1masc  foram as classes com o maior número de inscritos (22).


A Coréia do Sul (local do próximo mundial) com 9 para-atletas inscritos regressou para casa com 13,5 medalhas e terminou na frente tanto no modelo olímpico quanto no total de medalhas.A Inglaterra ficou em segundo (tanto no modelo olímpico quanto no total) seguido por Malásia e Noruega no quadro olímpico e pela França e Alemanha no quadro total de medalhas.
Obs; Nas duplas de mesmo país vale um ponto, nas duplas compostas por países diferentes cada fica com 0,5 pontos.




Somente a França obteve bons resultados, tanto nas classes wheelchair's quanto nos standing's, a Coréia do Sul  foi a melhor nos Wheelchair's e ficou apenas na 11ª posição nos Standings, já a Inglaterra foi o oposto, 11,5 medalhas nos Standing's e apenas uma nos Wheelchair's.

Alguns países conseguiram resultados basicamentes em algumas classes específicas:

Como dito, a Coréia do Sul dominou as classes wheelchair's tanto na WH1 quanto na WH2 e levou ouro, prata e bronze em ambos, a Inglaterra garantiu medalhas na SS6 (ouro: SM, SF, DX, DM; prata: SM, SF e DX e por fim bronze SM, DX (2x 0,5) e DM).

A Dinamarca levou 3 medalhas das 4 disputadas na SU5 fem.


















Vamos aos resultados:

WH1 MAS SIMPLES:
 


É uma das classes mais disputadas  do Parabadminton com 22 para-atletas de 9 países: ALE (2), ESP (3), FRA (4), ING (3), IRL (1), KOR (4), POL (1), RUS (2) e TUR (2).  Dos 6 melhores do mundo só não estavam presente o 5º ou seja, os melhores do mundo batalharam pelo ouro.

 O atual campeão mundial  e europeu (o alemão Thomas Wandschneider) "caiu" nas quartas e perderá a liderança do ranking. O melhor brasileiro desta classe é o brasiliense Marcelo Alves Conceição que atualmente ocupa a 11ª posição.

No pódio final, o francês David Troupe foi o único intruso entre os sul-coreanos. Mesmo com o nível altíssimo dos participantes, surpreendentemente Choi Jung Man venceu o torneio levando 75 pontos para o Ranking e na primeira competição ficará entre os 10. Sam Seop Lee será o lider do Ranking.

Resultado final:

1º CHOI JUNG MAN (KOR) [SR] +75 Pontos
2º SAM SEOP LEE (KOR) [2º]      +50 Pontos
3º DAVID TROPÉ (FRA) [3º] e      +30 Pontos
    JAE GUN JEONG [SR]               +30 Pontos

5º-8º THOMAS WANDSCHNEIDER (ALE) [1º]   +15 Pontos
         CONNOR DUA-HAPER (ING) [6º]               +15 Pontos
         YOUNG-CHIN MI (ALE)  [13º]                     +15 Pontos
          DONG HYUN RYU (KOR) [22º]                   +15 Pontos

WH2 MAS SIMPLES


Com 15 representantes de 10 países {ALE (2), ESP (1), FRA (1), HOL (1), HOK (1), ING (2), IND (1), ITA (1), KOR (3) e SUI (2)} a luta por medalhas foi bastante acirrada, os melhores do mundo estavam presentes e os Sul-coreanos também voltaram para casa com ouro e a prata semelhhante a classe WH1. O campeão Jungjun Kim  (KOR) vai se isolar ainda mais na liderança do Ranking com os 50 pontos conquistados no torneio. O inglês Gobi esteve no Internacional da  Colômbia no ano passado. O melhor brasileiro desta classe é o brasiliense Rômulo Soares que atualmente ocupa a 8ª posição do Ranking .

Resultado final:

1º JUNGJUN KIM (KOR)          [1º]     +50 Pontos
2º KYUNG HOON KIM (KOR) [3º]     +30 Pontos
3º MARTIN ROOKE (ING)        [5º]     +15 Pontos
    HO YEN CHAN  (HOG)         [2º]    +15 Pontos

5º-8º GOBI RANGANATHAN (ING) [10º]   +5 Pontos
         SANJEEL KUMAR (IND)          [25º]   +5 Pontos
         LAURENT BELLIA (FRA)        [13º]    +5 Pontos
         SUNG UM KIM (KOR)              [SR]     +5 Pontos


SL3 MAS SIMPLES


Participaram 19 para-atletas de 10 países {ALE (1), BEL (1), ESC (2), ESP (2), FRA (4), IND (2), ING (3),  MAL (1), RUS (1) e TUR (2)}. O maláio Muhammed Malek evitou que o pódium fosse todo europeu e com a prata dará um salto no ranking. O atual campeão europeu Daniel Bethell (ING) vai abrir uma boa vantagem na liderança do Ranking, porém  na minha opinião o maior destaque foi o espanhol Simon Cruz Mondejar que é o único para-atleta a chegar na fase final fazendo uso de prótese, todos os outros possuem as duas pernas. O melhor brasileiro desta classe é o paranaense Leonardo Zuffo que atualmente ocupa a 26ª posição no Ranking .

Resultado final:

1º DANIEL BETHELL (ING)              [1º]  +75 Pontos
2º MUHAMMED MALEK (MAL)      [13º]  +50 Pontos
3º PASCAL WOLTER (ALE)               [3º]  +30 Pontos
    SIMON CRUZ MONDEJAR (ESP) [8º]  +30 Pontos

5º-8º PRAKASH STEPHEN  (IND)            [2º]   +15 Pontos
         MATHIEU THOMAS (FRA)              [6º]   +05 Pontos
         UMESH VERKAN KUMAR  (IND)  [12º] +15 Pontos
         GEOFFREY BYZERY (FRA)           [44º]  +15 Pontos


SL4 MAS SIMPLES



O Francês Lucas Manzur vem dominando esta classe e venceu este internacional também, deixando o maláio Bakri Omar com a prata [2º], aqui é o típico exemplo da importância de participar  e ganhar os torneios internacionais, pois o indiano Tarun Tarun o atual campeão mundial não participou de nenhum internacional e ocupa  o terceiro lugar no ranking. Raul Anguiano  (GUA) [5º] "caiu" nas oitavas para o alemão Nils Boening [26º]  e provavelmente perderá uma posição no ranking. O melhor brasileiro desta classe é o paulista Rogério Oliveira  que atualmente ocupa a 21ª posição no Ranking .

Participaram 22 para-atletas de 14 países    :  ALE (4), BEL (1), CAN (1), ESC (1), FRA (2), GUA (1), IND (2), ING (2), IRL (1),  MAL (2), POL (1),  RUS (1), SUE (1) e TUR (1)

Resultado final:

1º LUCAS MAZUR (FRA)           [1º]  +75 Pontos
2º BAKRI OMAR (GUA)             [2º]  +50 Pontos
3º RICHARD NILSSON (SUE)    [7º]  +30 Pontos
    SUKANT KADAM (IND)        [20º]  +30 Pontos

5º-8º BOBBY GRIFFIN (ING)         [17º]   +15 Pontos
         OLEG DDONTSOV (RUS)     [18º]   +15 Pontos
         TIM MALLER  (ALE)             [18º] +15 Pontos
         NILS BOENING (ALE)           [26º]  +15 Pontos


SU5 MAS SIMPLES



Liek Hou Char (MAL) primeiro no ranking, geralmente não participava de internacionais garantindo a liderança vencendo o mundial  e o asiático, porém ele perdeu o asiático para o indonésio Suryo Nugrolo e parece que a história mudou, ele marcou presença no primeiro evento do ano e voltou a vencer.  O polonês Barthomiej Mroz é o para-atleta que mais participa deste tipo de torneio. O melhor brasileiro desta classe é o carioca Eduardo Oliveira  que atualmente ocupa a 12ª posição no Ranking . O bronze do Gi Yeon Kim deve ocupar a posição do Eduardo que  cairá uma posição.

Participaram 19 para-atletas de 12 países    :  ESP (2), FRA (1), GAL (1), HKG (1), HOL (2), IND (4), ING (1), ISR (1), KOR (1) MAL (2), POL (1)  e TUR (2)

Resultado final:

1º LIEK HOU CHEAR (MAL)           [1º]  +75 Pontos
2º BARTHOMIEJ MROZ (POL)        [2º]  +50 Pontos
3º ILKER TUZCU (TUR)                   [3º]  +30 Pontos
    GI YEON  KIM (KOR)                  [14º]  +30 Pontos

5º-8º MERIL LOQUETTE (FRA)             [17º]  +15 Pontos
         EYAL BECHAR  (ISR)                    [23º]  +15 Pontos
         MARK MODDERMAN (HOL)       [30º]  +15 Pontos
        MOHAMAD FARIS AZRI (MAL)   [42º]  +15 Pontos

SS6 MAS SIMPLES



Foram 11 para-atletas de 7 países, o inglês Krysten Coobs venceu o compatriota Jack Stephart na final  e a grande surpresa foi a não classificação do irlandês Niall Mcveigh [3º] com uma vitória e duas derrotas, ele ficou na fase de grupos.  Países participantes: ESC (1), ESP (1), FRA (1), HKG (1), ING (4), IRL (2) e RUS (1).

O melhor brasileiro desta classe é o representante do Rio Grande do Norte  Dhiego Vidal  que atualmente ocupa a 9ª posição no Ranking .

Resultado final:

1º KRYSTEN COOMBS (ING)      [2º]     +50 Pontos
2º JACK SHEPHART (ING)           [6º]     +30 Pontos
3º ANDREW MARTIN (ING)        [5º]     +15 Pontos
    CHUN YIN WONG  (HKG)       [7º]    +15 Pontos

5º-8º ISAAK-DALGHISH (ING)   [21º]   +5 Pontos
         FABIEN MORAL (FRA)       [SR]    +5 Pontos


WH1 FEM SIMPLES



Foi a classe com o maior número de para-atletas,  13 no total de 10 países diferentes. A para-atleta Karin Suter-Erath (SUI) venceu a competição e se distânciou na ponta do Ranking, suas maiores adversárias as chinesas  Ping Wang (campeã mundial  segunda do ranking)  e a Li Hongyan  e a sul-coreana Son Ok Cha [2ª] não participaram, facilitando a vida de Karin. A medalha de prata ficou com a sul-coreana Seung Suk Kim [20ª] mostrando que o mundial deste ano será de altíssimo nível.

A melhor brasileira desta classe é a brasiliense Daniele Torres que atualmente ocupa a 14ª posição do Ranking, porém deve cair duas posições.

Os países participantes foram: ALE (2), AUS (1), BEL (1), ESP (1), FIN (1), FRA (1), IRL (1), ISR (1), KOR (1) e SUI (3).

Resultado final:

1º KARIN SUTER-ERATH (SUI)      [1º]     +50 Pontos
2º KSEUNG SUK KIM (KOR)           [20º]     +30 Pontos
3º MAN-KEI TO (BEL)                      [25º]     +15 Pontos
    NINA  GORODETZKY (ISR)        [8º]    +15 Pontos

5º-8º VALESKA KNOBLAUCH (ALE) [5º]   +5 Pontos
         CINTHYA MATHEZ (SUI)            [17º]   +5 Pontos
         ELKE RONGEN (ALE)                 [13º]    +5 Pontos
         SONJA HAESLER (SUI)               [7ª]     +5 Pontos


WH2 FEM SIMPLES


A segunda colocada no ranking mundial, a turca Emine Sckin foi a melhor entre as 11 para-atletas de 8 países diferentes e passará a liderar o ranking depóis desta competição, infelizmente as maiores concorrentes não participaram ficando a prata com Narin Uluc,  outra para-atleta turca. A primeira do ranking a para-atleta Ammoury Wetwithan (TAI) terá que voltar a vencer o mundial para retornar a liderança após a vitória da Emine. Maria Gilda dos Santos (SE) é a melhor brasileira no ranking, a sergipana é a 15ª  e perderá uma posição devido o bronze da sul-coreana Dae Young Kim.

Países: AUS (1), ESC (1), ESP (2), FRA (1), ING (1), ITA (1), RUS (1) e TUR (2).


Resultado final:

1º EMINE SECKIN (TUR)       [2º]     +50 Pontos
2º NARIN ULUC (TUR)           [5º]     +30 Pontos
3º EMANUELLE OLT (FRA)   [14º]     +15 Pontos
    DAE YOUNG KIM (KOR)    [SR]    +15 Pontos

5º-8º ESTER TORRES (ESP)     [20º]   +5 Pontos
         FIONA CHRISTIE (ESC)  [10º]   +5 Pontos
   

SL3 FEM SIMPLES



Infelizmente só teve a participação de 3 para-atletas e por causa disto foi disputado na forma de exibição. A melhor brasileira desta classe é a representante do Rio Grande do Norte,  Abinaecia Maria da Silva  que atualmente ocupa  a  5ª  no Ranking Mundial. Obs. Esta é a classe com menor número de para-atletas, apenas, 7 mulheres. Penso que a BWF deveria rever o ranking com resultados só de um ano para evitar esta situação ou criar insentivos para aumentar a participação.

Resultado final:

1º MANASI JOSHI (IND)              [3º]     +0 Pontos
2º KATARZYRA ZIEBIK (POL)    [2º]     +0 Pontos
3º CATHERINE NAUDIN(FRA)    [SR]     +0 Pontos
 

SL4 FEM SIMPLES



Apenas 6 para-atletas de 5 países { ALE (1), ESC (1), FRA (2), NOR (1) e RUS (2)} participaram do torneio e a posição final é a mesma do ranking. O Brasil não tem representante no ranking mundial.

Resultado final:

1º HELLE SOFIE SAGOY (NOR)              [1º]     +30 Pontos
2º FAUSTINE NOEL (FRA)                        [2º]     +15 Pontos
3º MARY MARGARET WILSON (ESC)   [SR]    +5 Pontos
    KATRIN SEIBERT (ALE)                        [3º]     + 5 Pontos


SU5 FEM SIMPLES



Outra classe com apenas 6 para-atletas de 4 países foi dominada pelas dinamarquesas, a primeira para-atleta do ranking (Julie Thrane) perdeu nas semi e ficou com o bronze. A não participação das para-atletas Japonesas facilitou a vitória de Catherine Roengen (DIN) [5ª]. A melhor brasileira desta classe é a paranaense Cinthya Oliveira que atualmente ocupa a 8ª posição no Ranking .

Resultado final:

1º CATHERINE ROSENGEN (DIN)    [5º]    +30 Pontos
2º ASTRID RIIS (DIN)                        [10º]   +15 Pontos
3º JULIE THRANE (DIN)                   [1º]    +5 Pontos
    ZEHRA BAGLAR (TUR)                [6º]    + 5 Pontos


SS6 FEM SIMPLES


Deu a lógica nessa categoria, as duas melhores para-atletas do ranking internacional fizeram a final, a inglêsa Rachel Choong venceu  a compatriota Rebeca Bedford. O Brasil não têm representante nesta classe. A Giuliana Poveda Flores é a única da PANAM no ranking.

Foram 6 para-atletas de 4 países: ESC (1), ING (2), IRL (1) e POL (2)

Resultado final:

1º RACHEL CHOONG   (ING)    [1º]    +30 Pontos
2º REBECA BEDFORD  (ING)    [2º]   +15 Pontos
3º EMMA FARNHAM     (IRL)    [8º]    +5 Pontos
    DEIDRE NAGLE          (ESC)   [12º]    + 5 Pontos


DUPLAS:

DUPLAS MASC WH1-WH2



Foram 18 duplas formadas, final entre os sul-coranos
















DUPLAS FEM WH1-WH2




















DUPLAS MASC SL3-SL4




















DUPLAS MASC SU5





















DUPLAS FEM SL3-SU5
















DUPLAS MASC SS6




















DUPLAS FEM SS6



















MISTAS WH1-WH2



















MISTAS SL3-SU5



















MISTAS SS6




















Fotos do torneio: https://www.facebook.com/bwfbadminton/?pnref=story.unseen-section

Link do torneio: https://bwf.tournamentsoftware.com/sport/events.aspx?id=D3BBF30B-6EB6-42A9-B946-AD45C956A1DD

Foto: Cbbd

Terminou a 1ª ETAPA NACIONAL DE PARABADMINTON no clube Pinheiros na cidade de São Paulo.


O evento deu o "ponta-pé" inicial para as competições no país e com confrontos emocionantes tivemos os primeiros campeões  do ano. 

VISÃO GERAL
Os para-atletas paranaenses foram os mais efetivos com 4,5 medalhas de ouro, o DF ficou em primeiro nas classes Wheelchair's com 2 ouros. Obs. Quando jogam duplas formadas por estados diferentes, cada unidade da federação fica com o valor 0,5 "medalhas" no quadro geral.

A tabela acima leva em consideração todos os resultados onde tivemos jogos por classes ou absolutos, tanto das classes Standing's quanto das classes Wheelchair's, não segui o modelo da BWF pois não sei o que será adotado pela CBBd. Aqueles (as) para-atletas que ganharam medalhas sem jogar por serem os únicos da classe, não pontuaram na tabela.

A análise anterior utilizou o método olímpico de contagem de medalhas, quando analisamos por quantidade de medalhas independente de que "cor" é a mesma, os para-atletas do Paraná caem para a terceira posição e os brasilienses assumem a ponta seguidos pelos anfitriões, conforme tabela abaixo:
Observando somente as medalhas das classes Wheelchair's, apenas 3 estados saíram medalhados.

As classes Standing's tiveram mais representantes e o resultado final foi o seguinte:

O Rio de Janeiro mesmo participando somente com um para-atleta (Eduardo Oliveira) ficou em segundo na posição final.

Destaque para o para-atleta Leonardo Zuffo (Atacar-Unipar) da classe Sl3 com 3 medalhas de ouro (Simples, Duplas e Mistas) seguidos por Marcelo Conceição (C.O Brazlândia) e Eduardo Oliveira (Rio Nikkey) com duas de ouro cada (simples e duplas).


















CLASSE WH1 (SM WH1)


Com essa vitória, Marcelo Conceição vai se distanciar no Ranking nacional da categoria, o atual campeão pan-americano completou o sexto título consecutivo. Outro ponto a ser considerado é a segunda posição de Gabriel Jannini, que demonstra estar retornando as finais, desde 2014 que isso não acontecia.

No feminino infelizmente só tivemos a Daniele Souza.


                                 CLASSE WH2 (SM WH2) (SF WH2)



O Para-atleta da Sankalp, Pedro Nogueira Filho, (atual número 6 do Ranking) conseguiu uma grande façanha: venceu a sua primeira etapa nacional deixando o campeão pan-americano Rômulo Soares com a prata.

Já Maria Gilda (Sergipe) voltou a vencer uma etapa, repetindo o feito da primeira etapa de 2016.



                                       CLASSE SL3 (SM SL3) (SF SL3)


Leonardo Zuffo se aproxima da liderança do ranking, se não conseguir mesmo vencendo esta etapa, ele ficará bem próximo de Luiz Henrique dos Santos. A Abinaécia Maria da Silva (Facex) por ser a única para-atleta feminina desta classe, teve que competir com os homens. obs; Esta é a primeira etapa que a Abinaécia e o Serafim Marcelo (Distrito Federal) competem na classe SL3, antes eles eram da classe SL4, porém com a nova forma de classificação tiveram a classe funcional alterada.


                                     CLASSE SL4 (SM SL4) (SF SL4)

Esse foi o 4º encontro entre Rogério Oliveira (SESI Presidente Prudente) e o para-atleta Breno Johann (Atacar-Unipar), agora com duas vitórias para cada. Com essa vitória, Rogério deve se distanciar na liderança do ranking Brasileiro.
A jovem Maria Raiane (Pernambuco) foi a única do sexo feminino desta classe, ela teve que jogar com os homens.



                          CLASSE SU5 (SM SU5) (SF SU5)


Eduardo Oliveira marcou a sua terceira vitória consecutiva e com certeza vai se isolar na liderança do ranking nacional. A para-atleta Cintya Oliveira (Toledo) teve que jogar contra os homens.



                               CLASSE SS6-SI9 (SM SS6) (SM SI9)

Dhiego Guimarães conheceu a sua primeira derrota em etapas nacionais, o curitibano Vitor Gonçalves Tavares em sua primeira competição volta para casa com o ouro estampado no peito. Cássio foi o único da classe SI9 na competição.



                        CLASSE DUPLAS WH1/WH2 (DM WH1-WH2)


Marcelo Conceição e Rômulo Soares confirmam o terceiro título consecutivo e se isolam na liderança do ranking nacional. a surpresa ficou por conta da dupla pernambucana  Osvaldo Crema Júnio e Sivaldo Souza ficarem em último.




                             CLASSE DUPLAS SL3/SL4 (DM SL3-SL4)

Mesmo com uma quantidade de para-atletas que possibilitasse a formação de mais duplas, só tivemos duas inscritas que resolveram em jogo único. Ouro para os paranaenses.


                           CLASSE DUPLAS SL3/SL4 (DM SL3-SL4)

A dupla que venceu todas as etapas no ano passado: Eduardo Oliveira e Ricardo Cavalli, venceu a primeira do ano, agora são 5 ouros consecutivo.  Rogério Oliveira, mesmo sendo da classe SL4 optou por jogar nas duplas na SU5. As meninas Abinaécia da Silva (SL3) e Cintya Oliveira (SU5) tiveram que jogar com os homens. Serafim Marcelo também jogou na SU5 mesmo sendo da SL3.

                                                 CLASSE DUPLAS SS6 (DM SS6)

Em jogo único, Vitor Tavares (PR) e Dhiego Guimarães (RN) venceram o jogo e ficaram com o ouro.


                              CLASSE MISTAS SL3-SU5 (DX SL3-SU5)


Com a participação de 3 duplas apenas, Leonardo Zuffo e Cintya Oliveira venceram mais uma etapa, confirmando o resultado que obtiveram em todas as etapas em que jogaram nos último 2 anos.




ANÁLISE SOBRE A QUANTIDADE DE PARTICIPANTES:


Infelizmente vários para-atletas não participaram por motivos desconhecidos, é uma pena, pois as duas últimas competições de 2016 vinham com uma quantidade importante e lembramos que é a primeira no ciclo paralímpico Tóquio 2020.

Comparando as  competições:

* 2ª Etapa Nacional de Parabadminton 2016 (na cidade de Curitiba-PR) teve 45 para-atletas
* 3ª Etapa Nacional de Parabadminton 2016 (na cidade de Recife-PE) teve 63 para-atletas
* 2º Campeonato Brasileiro de Parabadminton 2016 (na cidade de Brasília-DF) teve 48
* 1ª Etapa Nacional de Parabadminton 2017 (cidade de São Paulo-SP) teve 34.

Porém quando comparamos somente as primeiras etapas:

* 2015 - 1ª Etapa Nacional de Parabadminton 2015 (cidade de Campinas-SP) teve 34.
* 2016 - 1ª Etapa Nacional de Parabadminton 2015 (cidade de São Bernardo-SP) teve 26.
* 2017 - 1ª Etapa Nacional de Parabadminton 2017 (cidade de São Paulo-SP) teve 34

Quando comparamos as 4 últimas etapas, a quantidade desta primeira etapa mostra um recúo, porém quando comparamos somente a primeira etapa , ela é maio que a do ano passado e se iguá-la a 2015.


HOMENAGEM AOS CAMPEÕES: