WHAT'S NEW?
Loading...


Hoje é o segundo dia de competição do 2º INTERNACIONAL DE  PARABADMINTON DO PERU , o Brasil se faz representado por 26 para-atletas de 9 estados brasileiros: DF (10), PR (5), SP (3), PE (2), SE (2), PI (1), RJ (1), SC (1) e AM (1). São 18 para-atletas do gênero masculino e 8 do feminino. Além dos 26 para-atletas, temos 5 técnicos, um árbitro internacional e a presença do coordenador do parabadminton brasileiro.

Somos junto com o Japão a maior delegação da competição, temos diversos para-atletas entre os 10 melhores do mundo neste torneio, porém ATÉ O MOMENTO NÃO HÁ NENHUMA MATÉRIA SOBRE A NOSSA PARTICIPAÇÃO NO SITE DA CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE BADMINTON-CBBd.



No dia de ontem (08/03) foi realizado 2 postagens conforme print a abaixo
Observem que falam do mundial da Coréia do sul que acontecerá no final de novembro e do projeto Agitos, onde há uma referência ao internacional, porém quem lê a matéria (LINK AQUI) chega a conclusão de que o país somente está participando com 7 para-atletas, 1 técnico e um administrador e só conseguiu viabilizar a sua participação graças ao projeto e as parcerias.


Além de nem citar os demais para-atletas e técnicos que participam com recursos próprios a postagem contém informação incorreta e desatualizada, visto que constam os nomes de Roberto Carlos Barbosa (DF) e Maria Rayane Lúcia da Silva (PE) que NÃO ESTÃO PRESENTES NO TORNEIO e deixaram de fora Osvaldo Crema Júnior (PE) que se faz presente na competição e inclusive pelo projeto "Agitos"

Uma matéria parecida foi divulgada pelo Comitê Paralímpico Brasileiro-CPB  e entendo que a intenção seja valorizar o importante suporte financeiro da fundação Agitos, respeito isso e é importante reconhecer esta ação, porém diante da necessidade de mais visibilidade, nos sentimos frustrados nesta questão, neste caso com a Cbbd.




Estamos com certeza perdendo uma excelente oportunidade de mostrar para o CPB e para a comunidade do movimento paralímpico a nossa força, é inegável que uma delegação com 26 para-atletas tenha mais peso do que somente 7 (isso é obvio não?) e com a visibilidade e credibilidade que o Comitê possui seria uma oportunidade impar.

A relação correta da delegação é:

 A delegação brasileira é representada por:

WH1:  Marcelo Conceição (DF), Rodolfo Cano (SP),  Gabriel Jannini (SP), Carlos Rodrigues (DF) e Oswaldo Júnior (PE);
Elisângela Santos (SE), Auricelia Freitas (PI) e Danielle Torres (DF)
WH2: Rômulo Soares (DF) e José Ambrósio Neto (DF)
Maria Gilda dos Santos (SE)
SL3: Renan Rosso (PR), Leonardo Zuffo (PR) e Serafin Marcelo (DF),
Cássia Araújo (DF)
SL4: Breno Johann (PR) e Rogério Oliveira (SP)
Danielle Carvalho (DF), 
SU5: Geraldo Oliveira (DF), Genivaldo da Silva (DF), Eduardo Oliveira (RJ) e Ricardo Cavalli (SC)
Mikaela Almeida (AM) e Cintya Oliveira (PR), 
SS6: Vitor Tavares (PR)
INE: Leonardo Douglas (PE)
 TÉCNICOS: Fábio Bento (PR), Maiara (SP), Letisson Samarone (DF), Cláudia Carvalho (DF) e Bruno de Paula (DF)
Árbitro Internacional: Hilton Fernades (SP)
COORDENADOR DO PARABADMINTON: José Artur Nogueira (PI)


Reincidência:

Olhando o print do início da postagem verificamos a apresentação do campeonato Universitário Paralímpico, porém a postagem só foi realizada após cobranças dos para-atletas em um grupo de um aplicativo em que eles cobravam pelo menos um texto. Neste período a postagem já obteve alterações.

No mês passado o para-atleta Marcelo Conceição conseguiu uma medalha incrível no Internacional de parabadminton da Irlanda, porém só foi realizada uma pequena postagem após seguidas cobranças e dias depois do final da competição, durante o processo nada foi comentado pela CBBd e nem mesmo este resultado foi apresentado ao Comitê Paralímpico Brasileiro.





Começa hoje (03/08/2017) as  9 horas (horário local) e as 11 horas no Brasil o segundo Campeonato Internacional de Parabadminton do Peru na cidade de Lima, o torneio conta com a participação de 121 para-atletas de 14 países diferentes entre eles 26 brasileiros.  Brasil (26), Japão (26) e Peru (24) representam 60% do total de inscritos e os para-atletas do continente são a grande maioria.


A equipe brasileira é composta por 10 para-atletas convocados pelo projeto Agitos, uma  do projeto de Fundos para a Participação feminina e por15 com custeamento próprio. O projeto Agitos é do Comitê paraolímpico Internacional que tem o objetivo de desenvolver o esporte para pessoas com deficiência. A Bwf arcou com todos os gastos de para-atletas femininas para participarem das competições. Infelizmente não houve projetos da Cbbd.

A delegação brasileira é representada por:

WH1:  Marcelo Conceição (DF), Rodolfo Cano (SP),  Gabriel Jannini (SP), Carlos Rodrigues (DF) e Oswaldo Júnior (PE);
Elisângela Santos (SE), Auricelia Freitas (PI) e Danielle Torres (DF)
WH2: Rômulo Soares (DF) e José Ambrósio Neto (DF)
Maria Gilda dos Santos (SE)
SL3: Renan Rosso (PR), Leonardo Zuffo (PR) e Serafin Marcelo (DF),
Cássia Araújo (DF)
SL4: Breno Johann (PR) e Rogério Oliveira (SP)
Danielle Carvalho (DF), 
SU5: Geraldo Oliveira (DF), Genivaldo da Silva (DF), Eduardo Oliveira (RJ) e Ricardo Cavalli (SC)
Mikaela Almeida (AM) e Cintya Oliveira (PR), 
SS6: Vitor Tavares (PR)
INE: Leonardo Douglas (PE)
 TÉCNICOS: Fábio Bento (PR), Maiara (SP), Letisson Samarone (DF), Cláudia Carvalho (DF) e Bruno de Paula (DF)
COORDENADOR DO PARABADMINTON: José Artur Nogueira


O dia começou com as classificações oficiais e tivemos  para-atletas com suas classes funcionais modificadas

Oswaldo Júnior  antes  WH2 e agora WH1.
Elisângela Santos antes WH2 e agora WH1.
José Ambrósio Neto, antes WH1 e agora WH2.

Os demais tiveram as classes confirmadas com exceção da ilegibilidade do para-atleta Leonardo Douglas que antes era da classe SL4 e agora não poderá jogar ate passar por outra classificação.


 Acredito que a delegação japonesa (que será sede do próximo internacional) deverá ser a nossa maior concorrente.




 Tivemos também a conferência de impressa com a fala de representantes da BWF, Panam, Federação Peruana e Comitê organizador dos jogos Parapan-americanos 2019.



Para acompanhar os jogos LINK 

Obs:  Até o momento do fechamento desta matéria nenhuma postagem do evento foi realizada no site da CBBd.











De 22 a 25 de Junho de 2017 aconteceu o internacional de parabadminton da Irlanda na cidade de Dublin, este foi o 5º torneio do ano e a competição contou com a participação de 132 para-atletas de 26 países, divididos da seguinte forma:



Vale ressaltar a quantidade de para-atletas ingleses: 20 ao todo, correspondendo a 15% do total de inscritos de todo o torneio,  é uma quantidade incrível de participantes ressaltando que os ingleses conseguiram manter a média  do internacional da Espanha onde a Inglaterra participou com 21  e depois caiu e muito o número no internacional da Turquia com somente  dois representantes.  França (12.8%) e Alemanha (9.9%) são os outros países com mais competidores, o Brasil participou com 2 para-atletas:Marcelo Conceição e Carlos Rodrigues ambos da classe WH1 e representantes do Distrito Federal.

Fora do continente europeu a Tailândia levou 9 para-atletas (quantidade expressiva visto que o último internacional foi neste país) e Canadá com 5, este último é representante da Panam e começou a trabalhar com o parabadminton a pouco tempo e demonstra ter um trabalho mais organizado que o nosso.



Dos 26 países, 21 voltaram para casa com medalhas nas bagagens. No quadro geral (modelo olímpico ) os Tailandeses com 5 ouros foram os melhores, seguidos pelos sul-coreanos (3) e os franceses com 2,5. Lembramos que quando uma dupla é formada por dois países diferentes vai 0,5 para cada.


Quando consideramos por total de medalhas independente se foi ouro, prata ou bronze, os franceses se igualam aos  Tailandeses com 11 medalhas ao todo, a Inglaterra com 0,5 medalhas a mais que a Alemanha que teve 10 ficam na terceira e quarta posição consequentemente. Brasil fica em 17º.




DESTAQUES:

A para-atleta Amnoury Wetwithan (THA) voltou para casa com 3 ouros na bagagem, simples, dupas e mistas. Os Sul Coreanos Sam Seop Lee e Kyung Hoon Kim ficaram com ouro na simples e nas duplas. Entre os Standing's, o francês Lucas Manzur (SL4) também ficou com 2 ouros a mesma quantidade da Tailandesa Nipada Seangsupa (ouro duplas e mistas).

Ao bronze do brasileiro Marcelo Alves Conceição.



Para verificar as fotos do evento:

LINK DO EVENTO AQUI..
https://www.facebook.com/pg/badminton.ireland/photos/?tab=album&album_id=1478548575541982

Classes Wheelchairs:

Nos eventos Wheelchair's Tailândia (3), Coreia do Sul (3) e Suíça (1) foram os melhores consequentemente e também foram os únicos que conseguiram medalhas de ouro.




MS WH1


Tivemos 19 para-atletas de 10 países: ALE (2), BRA (2), ESP (1), FIN (1), FRA (3), ING (3), IRL (2), KOR (2), RUS (2) e THA (1).  Dos 6 melhores do mundo só não estava presente o 3º ou seja, uma competição de altissimo nível.

O francês David Trope não conseguiu terminar o jogo da final devido a uma lesão no cotovelo que o fez ter que abandonar o jogo e com isso o sul coreano Sam Seop Lee (atual lider do ranking) ficou com o ouro.


O brasiliense Marcelo Conceição caiu nas quartas-de-finais para o alemão Thomas Wandschneider (que terminou em 3º) e Carlos Rodrigues não conseguiu passar da primeira fase em um grupo muito difícil (do campeão da competição).


Resultado final:




WS WH1


A Classe teve 12 para-atletas  de 10 países diferentes { ALE (1), AUS (1), BEL (1), CAN (1), ESP (1), FIN (2), IRL (1), IRS (1), SUI (2) e THA (1) . A para-atleta Karin Suter-Erath (SUI) venceu a competição e se distânciou na ponta do Ranking, suas maiores adversárias as chinesas  Ping Wang (campeã mundial  segunda do ranking)  e a Li Hongyan  e a sul-coreana Son Ok Cha [2ª] não participaram, facilitando a vida de Karin. A medalha de prata ficou com a tailandesa Sujirat Pookkham (4ª do ranking mundial).

Resultado final:





MS WH2


Com 15 representantes de 13 países {ALE (1), CAN (1), ESP (1), FIN (1), FRA (1), HOL (1), HOK (1), ING (2), ISR (1), ITA (1), KOR (1), SUI (2) e THA (1)} e com a presença dos melhores do mundo a luta por medalhas foi bastante acirrada com o sul coreano Jungjun Kim (1º no ranking mundial) vencendo o para-atleta de Hong Kong Ho Yen Chan na final. O Canadense Bernard Lapointe  ficou com o bronze junto com o inglês Martin Rooke.

Resultado final:



WS WH2


Somente 07 para-atletas de 06 países participaram desta classe, {ESP (2), ESC (1), FRA (1), ING (1), RUS (1) e THA (1)} A thailandesa Amnoury (número 1 do ranking internacional) teve vida fácil pois as suas maiores concorrentes as turcas Emine Seckin [2] e Narin Uluc [3] e  as sul-coreanas Ae Lee Sun [4] e Yeon Sim [6] não participaram da competição, a segunda melhor colocada era a francesa Emmanuelle Ott, nona no mundo.


Resultado final.


Classes Standing's:

Os Franceses foram os melhores entre os Standings.



MS SL3
Foram 16 para-atletas de 8 países { ALE (1), BEL (2), ESC (3), ESP (1),  FRA (5), IND (2), ING (2) e THA (1).  Os 4 melhores ranqueados não participaram da competição, com isso o 10º do ranking internacional, o indiano Kumar Nitesh venceu o  francês Matheus Thomas [4º] na final.

Resultado final:


WS SL3
Não houve competição, as para-atletas jogaram junto com as classes SL4 e SU5.

MS SL4
Com 22 para-atletas de 12 países { ALE (5), CAN (1), ESC (2), FRA (1), HOL (1),  IND (1), ING (3), IRL (2),  GUA (1), RUS (2), SUE (1) e THA (1)} realizaram uma competição de altíssima qualidade, com os melhores do mundo participando, o nível foi tão alto que o guatemalteco Raul Anguiano [8º] pela primeira vez não conseguiu passar pela fase de grupos.
Resultado Final:
MS SU5
Somente 8 para-atletas participaram do torneio representando 7 países:  ALE (1), FRA (1), GAL (1), IRL (2), ISR (1), HOL (1) E SIN (1). Os brasileiros desta classe perderam uma grande oportunidade em subirem nos seus rankings.  Os sete primeiros do ranking internacional não participaram do torneio, o para-atleta de Singapura [8º do mundo] venceu o francês Meril Loquete [9º] na final.
Resultado final:
SW SL4 + SU5
Tivemos 10 representantes de 7 países { ALE (1), ESC (1), FRA (3), HOL (1), ING (1), RUS (1) e THA (2),   e a competição ocorreu de forma ABSOLUTA (juntando as classes).
Para-atletas:
SL3: Catherine Naudin – FRA ; Darunee Henpraiawan – THA ;
Sl4: Veronique Braud – FRA; Faustine Noel – FRA; Nipada Seangsupa – THA;  Natalia Iaremchuk – RUS; Katrin Seibert – ALE; Mary Margaret Wilson – ESC.
SU5: Megan Hollander – HOL; Abbigale  Richards – ING.

Resultado Final:
MSSS6



15 para-atletas de 10 países { ING (4), HOK (2), CAN (2), USA (1), ESC (1), IRL (1), RUS (1), FRA (1), PER (1) e THA (1) } realizaram uma competição de grande nível técnico, com a presença de dois canadenses, um américa e outro peruano essa foi a classe com a maior quantidade de para-atletas Panam.

Resultado final


WS SS6

5 para-atletas de 4 países [ ING (2), IRL (1), ESC (1) e USA (1)] possibilitou a realização em um grupo único de um torneio válido.

Resultado Final:


DUPLAS



MD WH1-WH2

15 duplas  foram divididas em 4 grupos, os melhores do mundo estavam presentes e isso só valoriza a conquista do brasileiro MARCELO ALVES CONCEIÇÃO do Distrito Federal que fez duplas com o canadense Bernard Lapointe e conseguiu o Bronze. 

Esse é a segunda medalha brasileira em internacionais realizados na Europa, a primeira foi no internacional da Espanha em Palma de Mallorca, naquela ocasião Gabriel Janinni fez duplas com um para-atleta turco e também conseguiu um Bronze.
O que dá mais peso nesta medalha é a quantidade de duplas e a posição no ranking dos para-atletas presentes.

Resultado Final:

WD WH1-WH2
8 duplas disputaram este evento, as Tailandesas venceram a final 2x0 [21-8 21-10] sobre a dupla as Suíça.

Resultado Final:

MD SL3-SL4
A grande quantidade de duplas (17) valorizou a conquista dos franceses que venceram os Tailandeses na final (21-15 22-20).
Resultado Final

WD SL3-SU5

Somente 4 duplas competiram e as Tailandesas foram as vitoriosas. 
Resultado Final:

MD SU5

Somente 6 duplas lutaram pelo ouro e dupla formada por FRA e GAL saíram vencedores sobre os russos em um jogo emocionante disputado ponto a ponto (28-30, 21-19, 23-21).
Resultado final:

MD SS6

Como não foi possível acontecer a competição de duplas femininas, elas foram unidas as duplas masculinas e com isso tivemos 10 duplas ao todo desta classe. A dupla de Hong Kong venceu os favoritos ingleses.

Resultado Final:



MISTAS


XD WH1-WH2


Foram 21 duplas e entre elas Marcelo Conceição e a espanhola Esther Torres, eles passaram da primeira fase e perderam nas oitavas para os semifinalistas Rick Hellmann/Elke Rongen (Ale) por 2x1 (32-21, 21-23, 21-17). 

Resultado final:

XD SL3-SU5

Tivemos 9 duplas.

Resultado final:


XD SS6

Realizado em um grupo único com 5 duplas, os ingleses conseguiram ouro e prata. O peruano Hector Jesus Tunque ficou com o bronze. A dupla americana ficou em 5º.

Resultado final:






No último dia 15 de março a CBBd publicou em seu site um texto sobre a primeira Etapa Nacional de Parabadminton com fotos, ótima notícia não?; SIM!,  porém a publicação ocorreu somente 10 dias após o término da competição (05/03/2017), neste espaço de tempo nenhuma postagem foi realizada sobre o parabadminton apesar que o relatório final do badminton foi publicado no dia 07/03, ou seja, 2 dias após o término do torneio.

Para quem estava interessado em acompanhar a competição pelo site da CBBd, o link do tournament não foi postado. É verdade que no mesmo dia (15/03) foi realizado um relatório do badminton nos moldes do nosso blog mas já era do conhecimento de todos visto que o link dos jogos e o "relatório simplificado" já estavam no site.

Por que estou escrevendo sobre isto?

A analise realizada pelo blog parabadmintonBrasil apesar de ter apenas 15 dias é a QUINTA POSTAGEM COM MAIOR ACESSO em SETE ANOS DE BLOG, ou seja, o interesse foi grande (não só de brasileiros) porém no site oficial não tinha quase nada durante a I etapa.

No texto da CBBd, informações geradas pelo blog foram parafraseadas (leiam e tirem suas conlusões). O objetivo do blog não era de gerar conteúdo, porém quando os orgãos oficiais não os fazem, tento preencher as lacunas.

Se você deseja ter acesso ao texto  da CBBd, link aqui: http://www.badminton.org.br/noticia/3103/1o-etapa-nacional-de-parabadminton-continua-consagrando-campeoes-em-sao-paulo/

Fotos: Facebook da CBBd: https://www.facebook.com/pg/ConfederacaodeBadminton/photos/?tab=album&album_id=1346303392083140

link 2: https://www.facebook.com/450019498378205/photos/?tab=album&album_id=1346231395423673

Link 3 https://www.facebook.com/450019498378205/photos/?tab=album&album_id=1346384262075053


Postagem no blog:

Relatório final: http://parabadminton.blogspot.com.br/2017/03/resultado-final-1-etapa-nacional-de.html

Informações: http://parabadminton.blogspot.com.br/2017/03/primeira-etapa-nacional-de-parabadminton.html

 O primeiro torneio Internacional de Parabadminton do ano 2017 ocorreu na cidade de Alcudia na Espanha, participaram desta edição 152 para-atletas de 25 países. Da PANAM apenas Raul Anguiano (GUA) e o canadense Josh Wilians ambos da classe SL4 foram para a competição.
Crédito:Simon Cruz Monndejar
Levando em consideração que este torneio é apenas o primeiro do ciclo paralímpico, a quantidade de representantes é impressionante, isso deveria acender a luz de alerta da CBBd sobre a organização do 1º internacional do Brasil já que não possuí  experiência com um evento de parabadminton desta magnitude (a primeira proposta da CBBd foi em realizar a competição juntamente com uma etapa nacional em Curitiba).

Acredito que alguns dos para-atletas brasileiros perderão posições no Ranking internacional por não terem participados deste torneio, os para-atletas que sonham com Tóquio 2020 ou na obtenção ou manutenção da Bolsa  pódium precisarão participar do máximo de etapas internacionais.

Mesmo comemorando a quantidade de para-atletas é preocupante a quantidade de mulheres, somente 28%, se esta situação não modificar, estas classes poderão ficar de fora das paralimpíadas. Ao todo foram 92 para-atletas das classes standing's e 60 nas classes wheelchair's. Abaixo podemos verificar a quantidade de inscritos.

O país com maior número de participantes  foi a  Inglaterra com 19 seguida por França (18) Alemanha e Espanha (12 cada). SL4 masc e WH1masc  foram as classes com o maior número de inscritos (22).


A Coréia do Sul (local do próximo mundial) com 9 para-atletas inscritos regressou para casa com 13,5 medalhas e terminou na frente tanto no modelo olímpico quanto no total de medalhas.A Inglaterra ficou em segundo (tanto no modelo olímpico quanto no total) seguido por Malásia e Noruega no quadro olímpico e pela França e Alemanha no quadro total de medalhas.
Obs; Nas duplas de mesmo país vale um ponto, nas duplas compostas por países diferentes cada fica com 0,5 pontos.




Somente a França obteve bons resultados, tanto nas classes wheelchair's quanto nos standing's, a Coréia do Sul  foi a melhor nos Wheelchair's e ficou apenas na 11ª posição nos Standings, já a Inglaterra foi o oposto, 11,5 medalhas nos Standing's e apenas uma nos Wheelchair's.

Alguns países conseguiram resultados basicamentes em algumas classes específicas:

Como dito, a Coréia do Sul dominou as classes wheelchair's tanto na WH1 quanto na WH2 e levou ouro, prata e bronze em ambos, a Inglaterra garantiu medalhas na SS6 (ouro: SM, SF, DX, DM; prata: SM, SF e DX e por fim bronze SM, DX (2x 0,5) e DM).

A Dinamarca levou 3 medalhas das 4 disputadas na SU5 fem.


















Vamos aos resultados:

WH1 MAS SIMPLES:
 


É uma das classes mais disputadas  do Parabadminton com 22 para-atletas de 9 países: ALE (2), ESP (3), FRA (4), ING (3), IRL (1), KOR (4), POL (1), RUS (2) e TUR (2).  Dos 6 melhores do mundo só não estavam presente o 5º ou seja, os melhores do mundo batalharam pelo ouro.

 O atual campeão mundial  e europeu (o alemão Thomas Wandschneider) "caiu" nas quartas e perderá a liderança do ranking. O melhor brasileiro desta classe é o brasiliense Marcelo Alves Conceição que atualmente ocupa a 11ª posição.

No pódio final, o francês David Troupe foi o único intruso entre os sul-coreanos. Mesmo com o nível altíssimo dos participantes, surpreendentemente Choi Jung Man venceu o torneio levando 75 pontos para o Ranking e na primeira competição ficará entre os 10. Sam Seop Lee será o lider do Ranking.

Resultado final:

1º CHOI JUNG MAN (KOR) [SR] +75 Pontos
2º SAM SEOP LEE (KOR) [2º]      +50 Pontos
3º DAVID TROPÉ (FRA) [3º] e      +30 Pontos
    JAE GUN JEONG [SR]               +30 Pontos

5º-8º THOMAS WANDSCHNEIDER (ALE) [1º]   +15 Pontos
         CONNOR DUA-HAPER (ING) [6º]               +15 Pontos
         YOUNG-CHIN MI (ALE)  [13º]                     +15 Pontos
          DONG HYUN RYU (KOR) [22º]                   +15 Pontos

WH2 MAS SIMPLES


Com 15 representantes de 10 países {ALE (2), ESP (1), FRA (1), HOL (1), HOK (1), ING (2), IND (1), ITA (1), KOR (3) e SUI (2)} a luta por medalhas foi bastante acirrada, os melhores do mundo estavam presentes e os Sul-coreanos também voltaram para casa com ouro e a prata semelhhante a classe WH1. O campeão Jungjun Kim  (KOR) vai se isolar ainda mais na liderança do Ranking com os 50 pontos conquistados no torneio. O inglês Gobi esteve no Internacional da  Colômbia no ano passado. O melhor brasileiro desta classe é o brasiliense Rômulo Soares que atualmente ocupa a 8ª posição do Ranking .

Resultado final:

1º JUNGJUN KIM (KOR)          [1º]     +50 Pontos
2º KYUNG HOON KIM (KOR) [3º]     +30 Pontos
3º MARTIN ROOKE (ING)        [5º]     +15 Pontos
    HO YEN CHAN  (HOG)         [2º]    +15 Pontos

5º-8º GOBI RANGANATHAN (ING) [10º]   +5 Pontos
         SANJEEL KUMAR (IND)          [25º]   +5 Pontos
         LAURENT BELLIA (FRA)        [13º]    +5 Pontos
         SUNG UM KIM (KOR)              [SR]     +5 Pontos


SL3 MAS SIMPLES


Participaram 19 para-atletas de 10 países {ALE (1), BEL (1), ESC (2), ESP (2), FRA (4), IND (2), ING (3),  MAL (1), RUS (1) e TUR (2)}. O maláio Muhammed Malek evitou que o pódium fosse todo europeu e com a prata dará um salto no ranking. O atual campeão europeu Daniel Bethell (ING) vai abrir uma boa vantagem na liderança do Ranking, porém  na minha opinião o maior destaque foi o espanhol Simon Cruz Mondejar que é o único para-atleta a chegar na fase final fazendo uso de prótese, todos os outros possuem as duas pernas. O melhor brasileiro desta classe é o paranaense Leonardo Zuffo que atualmente ocupa a 26ª posição no Ranking .

Resultado final:

1º DANIEL BETHELL (ING)              [1º]  +75 Pontos
2º MUHAMMED MALEK (MAL)      [13º]  +50 Pontos
3º PASCAL WOLTER (ALE)               [3º]  +30 Pontos
    SIMON CRUZ MONDEJAR (ESP) [8º]  +30 Pontos

5º-8º PRAKASH STEPHEN  (IND)            [2º]   +15 Pontos
         MATHIEU THOMAS (FRA)              [6º]   +05 Pontos
         UMESH VERKAN KUMAR  (IND)  [12º] +15 Pontos
         GEOFFREY BYZERY (FRA)           [44º]  +15 Pontos


SL4 MAS SIMPLES



O Francês Lucas Manzur vem dominando esta classe e venceu este internacional também, deixando o maláio Bakri Omar com a prata [2º], aqui é o típico exemplo da importância de participar  e ganhar os torneios internacionais, pois o indiano Tarun Tarun o atual campeão mundial não participou de nenhum internacional e ocupa  o terceiro lugar no ranking. Raul Anguiano  (GUA) [5º] "caiu" nas oitavas para o alemão Nils Boening [26º]  e provavelmente perderá uma posição no ranking. O melhor brasileiro desta classe é o paulista Rogério Oliveira  que atualmente ocupa a 21ª posição no Ranking .

Participaram 22 para-atletas de 14 países    :  ALE (4), BEL (1), CAN (1), ESC (1), FRA (2), GUA (1), IND (2), ING (2), IRL (1),  MAL (2), POL (1),  RUS (1), SUE (1) e TUR (1)

Resultado final:

1º LUCAS MAZUR (FRA)           [1º]  +75 Pontos
2º BAKRI OMAR (GUA)             [2º]  +50 Pontos
3º RICHARD NILSSON (SUE)    [7º]  +30 Pontos
    SUKANT KADAM (IND)        [20º]  +30 Pontos

5º-8º BOBBY GRIFFIN (ING)         [17º]   +15 Pontos
         OLEG DDONTSOV (RUS)     [18º]   +15 Pontos
         TIM MALLER  (ALE)             [18º] +15 Pontos
         NILS BOENING (ALE)           [26º]  +15 Pontos


SU5 MAS SIMPLES



Liek Hou Char (MAL) primeiro no ranking, geralmente não participava de internacionais garantindo a liderança vencendo o mundial  e o asiático, porém ele perdeu o asiático para o indonésio Suryo Nugrolo e parece que a história mudou, ele marcou presença no primeiro evento do ano e voltou a vencer.  O polonês Barthomiej Mroz é o para-atleta que mais participa deste tipo de torneio. O melhor brasileiro desta classe é o carioca Eduardo Oliveira  que atualmente ocupa a 12ª posição no Ranking . O bronze do Gi Yeon Kim deve ocupar a posição do Eduardo que  cairá uma posição.

Participaram 19 para-atletas de 12 países    :  ESP (2), FRA (1), GAL (1), HKG (1), HOL (2), IND (4), ING (1), ISR (1), KOR (1) MAL (2), POL (1)  e TUR (2)

Resultado final:

1º LIEK HOU CHEAR (MAL)           [1º]  +75 Pontos
2º BARTHOMIEJ MROZ (POL)        [2º]  +50 Pontos
3º ILKER TUZCU (TUR)                   [3º]  +30 Pontos
    GI YEON  KIM (KOR)                  [14º]  +30 Pontos

5º-8º MERIL LOQUETTE (FRA)             [17º]  +15 Pontos
         EYAL BECHAR  (ISR)                    [23º]  +15 Pontos
         MARK MODDERMAN (HOL)       [30º]  +15 Pontos
        MOHAMAD FARIS AZRI (MAL)   [42º]  +15 Pontos

SS6 MAS SIMPLES



Foram 11 para-atletas de 7 países, o inglês Krysten Coobs venceu o compatriota Jack Stephart na final  e a grande surpresa foi a não classificação do irlandês Niall Mcveigh [3º] com uma vitória e duas derrotas, ele ficou na fase de grupos.  Países participantes: ESC (1), ESP (1), FRA (1), HKG (1), ING (4), IRL (2) e RUS (1).

O melhor brasileiro desta classe é o representante do Rio Grande do Norte  Dhiego Vidal  que atualmente ocupa a 9ª posição no Ranking .

Resultado final:

1º KRYSTEN COOMBS (ING)      [2º]     +50 Pontos
2º JACK SHEPHART (ING)           [6º]     +30 Pontos
3º ANDREW MARTIN (ING)        [5º]     +15 Pontos
    CHUN YIN WONG  (HKG)       [7º]    +15 Pontos

5º-8º ISAAK-DALGHISH (ING)   [21º]   +5 Pontos
         FABIEN MORAL (FRA)       [SR]    +5 Pontos


WH1 FEM SIMPLES



Foi a classe com o maior número de para-atletas,  13 no total de 10 países diferentes. A para-atleta Karin Suter-Erath (SUI) venceu a competição e se distânciou na ponta do Ranking, suas maiores adversárias as chinesas  Ping Wang (campeã mundial  segunda do ranking)  e a Li Hongyan  e a sul-coreana Son Ok Cha [2ª] não participaram, facilitando a vida de Karin. A medalha de prata ficou com a sul-coreana Seung Suk Kim [20ª] mostrando que o mundial deste ano será de altíssimo nível.

A melhor brasileira desta classe é a brasiliense Daniele Torres que atualmente ocupa a 14ª posição do Ranking, porém deve cair duas posições.

Os países participantes foram: ALE (2), AUS (1), BEL (1), ESP (1), FIN (1), FRA (1), IRL (1), ISR (1), KOR (1) e SUI (3).

Resultado final:

1º KARIN SUTER-ERATH (SUI)      [1º]     +50 Pontos
2º KSEUNG SUK KIM (KOR)           [20º]     +30 Pontos
3º MAN-KEI TO (BEL)                      [25º]     +15 Pontos
    NINA  GORODETZKY (ISR)        [8º]    +15 Pontos

5º-8º VALESKA KNOBLAUCH (ALE) [5º]   +5 Pontos
         CINTHYA MATHEZ (SUI)            [17º]   +5 Pontos
         ELKE RONGEN (ALE)                 [13º]    +5 Pontos
         SONJA HAESLER (SUI)               [7ª]     +5 Pontos


WH2 FEM SIMPLES


A segunda colocada no ranking mundial, a turca Emine Sckin foi a melhor entre as 11 para-atletas de 8 países diferentes e passará a liderar o ranking depóis desta competição, infelizmente as maiores concorrentes não participaram ficando a prata com Narin Uluc,  outra para-atleta turca. A primeira do ranking a para-atleta Ammoury Wetwithan (TAI) terá que voltar a vencer o mundial para retornar a liderança após a vitória da Emine. Maria Gilda dos Santos (SE) é a melhor brasileira no ranking, a sergipana é a 15ª  e perderá uma posição devido o bronze da sul-coreana Dae Young Kim.

Países: AUS (1), ESC (1), ESP (2), FRA (1), ING (1), ITA (1), RUS (1) e TUR (2).


Resultado final:

1º EMINE SECKIN (TUR)       [2º]     +50 Pontos
2º NARIN ULUC (TUR)           [5º]     +30 Pontos
3º EMANUELLE OLT (FRA)   [14º]     +15 Pontos
    DAE YOUNG KIM (KOR)    [SR]    +15 Pontos

5º-8º ESTER TORRES (ESP)     [20º]   +5 Pontos
         FIONA CHRISTIE (ESC)  [10º]   +5 Pontos
   

SL3 FEM SIMPLES



Infelizmente só teve a participação de 3 para-atletas e por causa disto foi disputado na forma de exibição. A melhor brasileira desta classe é a representante do Rio Grande do Norte,  Abinaecia Maria da Silva  que atualmente ocupa  a  5ª  no Ranking Mundial. Obs. Esta é a classe com menor número de para-atletas, apenas, 7 mulheres. Penso que a BWF deveria rever o ranking com resultados só de um ano para evitar esta situação ou criar insentivos para aumentar a participação.

Resultado final:

1º MANASI JOSHI (IND)              [3º]     +0 Pontos
2º KATARZYRA ZIEBIK (POL)    [2º]     +0 Pontos
3º CATHERINE NAUDIN(FRA)    [SR]     +0 Pontos
 

SL4 FEM SIMPLES



Apenas 6 para-atletas de 5 países { ALE (1), ESC (1), FRA (2), NOR (1) e RUS (2)} participaram do torneio e a posição final é a mesma do ranking. O Brasil não tem representante no ranking mundial.

Resultado final:

1º HELLE SOFIE SAGOY (NOR)              [1º]     +30 Pontos
2º FAUSTINE NOEL (FRA)                        [2º]     +15 Pontos
3º MARY MARGARET WILSON (ESC)   [SR]    +5 Pontos
    KATRIN SEIBERT (ALE)                        [3º]     + 5 Pontos


SU5 FEM SIMPLES



Outra classe com apenas 6 para-atletas de 4 países foi dominada pelas dinamarquesas, a primeira para-atleta do ranking (Julie Thrane) perdeu nas semi e ficou com o bronze. A não participação das para-atletas Japonesas facilitou a vitória de Catherine Roengen (DIN) [5ª]. A melhor brasileira desta classe é a paranaense Cinthya Oliveira que atualmente ocupa a 8ª posição no Ranking .

Resultado final:

1º CATHERINE ROSENGEN (DIN)    [5º]    +30 Pontos
2º ASTRID RIIS (DIN)                        [10º]   +15 Pontos
3º JULIE THRANE (DIN)                   [1º]    +5 Pontos
    ZEHRA BAGLAR (TUR)                [6º]    + 5 Pontos


SS6 FEM SIMPLES


Deu a lógica nessa categoria, as duas melhores para-atletas do ranking internacional fizeram a final, a inglêsa Rachel Choong venceu  a compatriota Rebeca Bedford. O Brasil não têm representante nesta classe. A Giuliana Poveda Flores é a única da PANAM no ranking.

Foram 6 para-atletas de 4 países: ESC (1), ING (2), IRL (1) e POL (2)

Resultado final:

1º RACHEL CHOONG   (ING)    [1º]    +30 Pontos
2º REBECA BEDFORD  (ING)    [2º]   +15 Pontos
3º EMMA FARNHAM     (IRL)    [8º]    +5 Pontos
    DEIDRE NAGLE          (ESC)   [12º]    + 5 Pontos


DUPLAS:

DUPLAS MASC WH1-WH2



Foram 18 duplas formadas, final entre os sul-coranos
















DUPLAS FEM WH1-WH2




















DUPLAS MASC SL3-SL4




















DUPLAS MASC SU5





















DUPLAS FEM SL3-SU5
















DUPLAS MASC SS6




















DUPLAS FEM SS6



















MISTAS WH1-WH2



















MISTAS SL3-SU5



















MISTAS SS6




















Fotos do torneio: https://www.facebook.com/bwfbadminton/?pnref=story.unseen-section

Link do torneio: https://bwf.tournamentsoftware.com/sport/events.aspx?id=D3BBF30B-6EB6-42A9-B946-AD45C956A1DD